Percurso Jardim Exótico - Hotel de Paris

Tempo de percurso: 2h

Para chegar ao ponto de partida, pegue o ônibus n°2 JARDIN EXOTIQUE e desça no terminal. O Visitante chegará em frente às estufas do centro botânico, a poucos passos do Jardim Exótico.

Olá! Boas-vindas à página do tour JARDIM-EXÓTICO/HOTEL DE PARIS. O princípio é simples. Traga consigo uma câmera ou um telefone com câmera embutida. Siga o percurso indicado e a cada etapa tire uma foto sua neste local. Será então possível compartilhar as suas fotos no Instagram. O Visitante pode igualmente escolher um ângulo específico ou um objeto, se não quiser aparecer nas fotos. 

Tempo de percurso: 2h
Para chegar ao ponto de partida, pega-se o ônibus n°2 JARDIN EXOTIQUE e a descida ocorre no terminal. O Visitante chegará em frente às estufas do centro botânico, a poucos passos do Jardim Exótico. 

Jardim Exótico de Mônaco  

O Jardim Exótico de Mônaco foi inaugurado em 1933 pelo Príncipe Louis II. Ele reúne grande variedade de plantas suculentas (comumente chamadas “suculentas”). As plantas suculentas têm a particularidade de reter a água que absorvem e podem sobreviver em climas áridos ou solos secos. É o caso dos cactos. O Jardim Exótico foi construído nas encostas de uma falésia. Portanto, os visitantes podem admirar a vista de todo o Principado de Mônaco. Na base da falésia do Jardim Exótico fica a entrada de uma gruta subterrânea, especialmente equipada para visitas. A gruta afunda quase ao nível do mar. Nos tempos pré-históricos, os homens viviam nas proximidades desta caverna, tal como evidenciado pelos vestígios compostos de ossos de animais dos quais se alimentavam.

Em frente ao Jardim Exótico está o centro botânico constituído de estufas. É possível ver a estrutura de vidro e ferro. Projetado pelos arquitetos Fabrice Notari e Rudy Ricciotti, o edifício foi construído em três andares. O prédio foi inaugurado em 31 de outubro de 2017 por S.A.S. O Príncipe Albert II e o Prefeito de Mônaco Georges Marsant.. 

Agora vamos seguir à esquerda, beirando a rocha que constitui a divisa do Jardim Exótico. O Visitante encontrará um elevador que lhe possibilitará chegar em frente ao Hospital de Mônaco.

 

Le Centre Hospitalier Princesse Grace 

Ao sair do túnel, o Visitante verá à direita o Centro Hospitalar Princesa Grace, único estabelecimento hospitalar público do Principado de Mônaco. O Centro Hospitalar Princesa Grace foi criado por iniciativa do Príncipe Alberto I, bisavô do atual soberano, no intuito de substituir o Hôtel-Dieu de Monaco-Ville, hoje inexistente. Quando foi inaugurado, o hospital era denominado “Hôpital Albert Ier”. Somente no final dos anos 1950, ele foi oficialmente batizado Centro Hospitalar Princesa Grace (os moradores igualmente usam a abreviação “CHPG” para designá-lo). Um novo Centro Hospitalar Princesa Grace está atualmente em construção. O projeto foi dividido em quatro fases: 

1°/ Desvio da avenida Pasteur e construção de um novo estacionamento.
2°/ Construção do primeiro prédio do novo hospital, por cima do novo de estacionamento.
3°/ Entrada em plenas condições funcionais das instalações para cirurgias e atendimentos especializados.
4°/ Entrega final do novo Centro Hospitalar Princesa Grace. 

Por respeito aos pacientes, o trajeto continua em silêncio e linha reta, até o pequeno jardim de onde se desfruta da admirável vista do Principado do Mônaco. 
De volta à frente do túnel do elevador, deve-se atravessar e virar à esquerda pela calçada, prosseguindo-se ao longo do túnel rodoviário que leva ao Boulevard de Belgique. O Visitante segue então pelo Boulevard de Belgique até a rotatória, bem à frente do Parque Princesa Antoinette.

 O Parque Princesse Antoinette  

O Parque Princesa Antoinette é um espaço de um hectare, abrigando centenárias oliveiras. Verdadeiro pulmão verde em pleno coração do Principado, trata-se antes de mais nada de um parque infantil que oferece atividades adaptadas a todas as idades. O Parque Princesa Antonieta foi projetado por Louis Notari, Diretor de Obras Públicas no início do século XX.  As obras tiveram início em 1917 e foram concluídas em 1924. O Parque era inicialmente conhecido como “Jardin des Révoires”, sendo rebatizado em 1923 e passando a se chamar “Parque Princesa Antoinette”, em homenagem à primeira criança do casal formado pela Princesa Charlotte e pelo Príncipe Pierre de Mônaco.

Na entrada do parque, uma área coberta por vegetação tem o seu projeto paisagístico renovado pelos jardineiros a cada mudança de estação. Os visitantes igualmente encontram um pequeno lago onde convivem alguns peixes.

A caminhada continua pelo Boulevard de Belgique. Após cerca de dez minutos, sempre em linha reta, o passeio alcança a próxima parada: a Caserne des Carabiniers. 

A Caserna dos Carabiniers  

Este quartel sedia a corporação composta pela guarda de honra que garante a segurança da Família Principesca. A Companhia dos Carabiniers do Príncipe foi criada em 8 de dezembro de 1817 por Honoré Grimaldi, então Príncipe Herdeiro de Mônaco que viria se tornar O Príncipe Honoré V, após o falecimento do seu pai. Em 1904, o Príncipe Albert I, bisavô do atual Príncipe Soberano, confia aos carabiniers a guarda do Palácio e da Família Principesca. Os Carabiniers asseguram a Guarda do Palácio, zelam pela segurança do Príncipe Soberano e da Família Principesca, assim como pela execução das leis, além de contribuírem para a manutenção da ordem pública e cumprirem todas as missões ordenadas pelo Príncipe. Seu lema: honra, fidelidade, devoção. Desde 1978, a Companhia dos Carabiniers do Príncipe tem uma orquestra, a Orquestra dos Carabiniers do Príncipe, composta por 24 músicos da corporação. 

O percurso prossegue em linha reta com a descida do Boulevard do Jardin Exotique. Vale a pena admirar a vista do Porto e do Rochedo. Ao chegar em frente a uma passagem de pedestres, ela não deve ser atravessada. Ao invés desta travessia, o itinerário prossegue pela pequena ponte em caracol que conduz a um elevador. Não se deve pegar o elevador. Continua-se em linha reta até a estação ferroviária Gare de Monaco, coberta por um telhado com ares de telhado de vidro. O Visitante entra na estação (pequenos degraus, escadas rolantes, elevadores). Os elevadores irão levá-lo às plataformas de embarque.

VOCÊ SABIA? Mônaco pode ser percorrido a pé em menos de uma hora. De fato, há inúmeras possibilidades de deslocamento pelas modernas vias públicas do Principado. No total, Mônaco tem 78 elevadores, 35 escadas rolantes 8 esteiras rolantes.

A Gare de Mônaco-Monte-Carlo  

A Gare de Mônaco-Monte-Carlo é uma estação ferroviária subterrânea. Suas 6 entradas possibilitam aos usuários terem acesso aos quatro cantos do Principado.
Há 150 anos, desde a chegada do primeiro trem ao território monegasco, a ferrovia constituiu um dos vetores da extraordinária expansão econômica do Principado. Desde então, a paisagem ferroviária mudou consideravelmente. Passando de 5 trens diários e 99.000 passageiros no transcorrer do ano de 1868, quando o primeiro trem chegou em Mônaco, para os atuais 110 trens diários e mais de 6 milhões de passageiros por ano passando pela atual Estação Ferroviária.
Entretanto, o Príncipe Rainier III, pai do atual soberano, percebeu em 1958 que a crescente urbanização do Principado estava sendo limitada por essa linha férrea atravessando a cidade. Foram realizadas obras nesta rota, mas em meados da década de 1990 este trecho da linha férrea foi finalmente condenado à destruição. Uma nova estação subterrânea, a atual Gare, foi construída no fundo do Vale Sainte Dévote, padroeira de Mônaco.
Para os curiosos, algumas imagens da antiga e hoje demolida Gare de Monaco.   

Para os aficionados por ferrovias, estes Visitantes encontrarão informações adicionais sobre a história da Estação Ferroviária  de Mônaco no website da SNCF.
Na estação o Visitante encontrará um piano. Todos os músicos iniciantes podem tocar algumas notas enquanto esperam os respectivos trens. Em 2019, uma biblioteca participativa foi igualmente inaugurada.

A saída é pela porta situada atrás do piano. O Visitante descerá por alguns minutos antes de chegar à Igreja da Sainte-Dévote.

 A Igreja da Sainte-Dévote  

Santa Devota, escrito em dialeto monegasco exatamente como em português, é a santa padroeira de Mônaco e da Família Principesca. Ela é igualmente a padroeira da Córsega, de onde é originária.
Reza a lenda que durante a grande perseguição dos cristãos pelo governador romano Diocleciano, no início do século IV, Devota teria sido uma jovem cristã, detida, encarcerada e torturada. Ela morreu recusando-se a negar a sua fé. O Governador da antiga Província ordenou que o seu corpo fosse queimado. Mas amigos cristãos de Devota a sequestraram e a colocaram em um barco com destino à África, visando enterrá-la neste continente. Diz a lenda diz que desabava uma tempestade logo após a partida do barco de transporte do corpo de Santa Devota. O corpo de Santa Devota teria se levantado e da boca da mártir uma pomba teria aparecido. “Siga a pomba e onde ela pousar, enterre-a para mim”. A pomba pousou em Mônaco, no vale dos Gaumates, por volta de 27 de janeiro.

Alguns anos depois, uma noite, um ladrão roubou as relíquias da Santa. Ele chegou a embarcar no seu barco, mas foi interceptado por um grupo de pescadores antes de chegar ao mar aberto. O barco do ladrão foi queimado na praia como sacrifício. Desde 1924, época do reinado do Príncipe Luís II, um barco é queimado na noite de 26 de janeiro e pombas são soltas.
Uma pequena capela foi construída no início da Era Cristã. Em 1871, o Príncipe Carlos III a transformou em igreja. Ela se tornou igreja paroquial em 1887. Estando sob a autoridade do Arcebispo de Mônaco, pois o Principado é uma Arquidiocese.   

Em seguida, o percurso continua pela esquerda. Em frente à sorveteria e aos serviços fiscais, o Visitante encontrará uma entrada com escadas conduzindo a uma passagem subterrânea. Essa passagem é composta de espelhos. Perfeitamente sinalizada, é facilmente possível encontrar a saída para a Avenida de Ostende. Certamente para lhe conferir ares de metrópole, Mônaco foi erguida na parte alta do Principado, mas as passagens subterrâneas para pedestres foram projetadas a fim de possibilitar aos moradores se moverem rapidamente de um lugar para outro. O Visitante deve subir lentamente pela Avenida de Ostende, apreciando os seus jardins e a vista para o mar.

 

Os jardins da Avenida de Ostende  

A Avenida de Ostende é sem dúvida longa e pode parecer íngreme. Mas é possível fazer pausas nos vários jardins desta longa avenida. Em pé ou em um banco de praça, aprecia-se a vista voltada para o mar, as esculturas e as magníficas plantas que adornam estes lugares marcados por uma tranquila atmosfera.
Durante o GP de F1, os carros de sobem pela Avenida de Ostende, igualmente conhecida como “Beau-Rivage”.

Continuando a subida, à esquerda é possível admirar a arquitetura do Centro Cardio-Torácico, um hospital privado especializado em doenças cardiovasculares. 

 O Centro Cardio-Torácico de Mônaco  

O Centro Cardio-Torácico de Mônaco foi projetado em 1978, sendo construído e equipado entre março de 1985 e abril de 1987. Trata-se de instalações hospitalares dedicadas ao conjunto de patologias torácicas e cardiovasculares. Quando foi inaugurado, o Centro diferenciava-se das estruturas existentes pela respectiva associação com competências de nível internacional e pela qualidade do acolhimento e das acomodações oferecidas a pacientes de todas as origens. Ao contrário do Centro Hospitalar Princesa Grace que é um estabelecimento público, o Centro Cardio-Torácico é um estabelecimento privado.

 Em seguida, vira-se à direita, logo após a Sociedade Protetora dos Animais. O Visitante chegará em frente ao Teatro Princesa Grace, onde está igualmente instalado o Cine Belas-Artes.

 

O Teatro Princesse Grace 

 Em 1930, a Sociedade dos Banhos Marinhos lançou a construção de um complexo composto por um cinema e uma sala de teatro. O Théâtre des Beaux-Arts foi inaugurado em 1932.
A Princesa Grace queria reviver o teatro de comédia no Principado. O Príncipe Rainier III restaurou então o antigo Théâtre des Beaux-Arts. A Princesa Grace redesenhou completamente a decoração interna do Teatro com o objetivo de melhorar a acústica e as condições de recebimento dos atores, com camarins confortáveis e funcionais.
O novo teatro foi inaugurado em 17 de dezembro de 1981 pelo Príncipe Rainier III e pela Princesa Grace. Portanto, foi em 1981 que o Théâtre des Beaux-Arts se tornou o Théâtre Princesse Grace

.  

Descer em frente à entrada do Teatro Princesse Grace é a dica para se admirar o edifício e a vista voltada para o mar. Em seguida, o trajeto prossegue à esquerda, em direção às escadas rolantes, para a chegada aos Terrasses du Casino. 

Os Terraços do Cassino  

Estes terraços datam do primeiro Cassino, cujas portas foram abertas em 14 de dezembro de 1856. Os Terrasses du Casino convidam os passantes a descobrirem a grande variedade de plantas e árvores, especialmente as mediterrâneas. Os Terraços do Casino possibilitam ao Visitante a descoberta de uma vista panorâmica de tirar o fôlego, desde Itália até ao Porto de Mônaco. Este passeio panorâmico proporcionará ao Visitante a descoberta de algumas esculturas, arte muito presente em todos os jardins de Mônaco.

Subindo pelos degraus em frente ao Casino e virando à esquerda, o Visitante chegará à entrada para artistas da Ópera de Monte-Carlo. 

Ópera de Monte-Carlo, entrada dos artistas 

Os Príncipes do Mônaco conferiram status preponderante à música e às artes em geral. Em 1866, foi inaugurado o teatro do primeiro cassino. Mas a exiguidade do palco e da sala do teatro não possibilitou a encenação de espetáculos ambiciosos. O repertório ficaria limitado a obras leves. A ópera deve ter uma sala digna do nome para acomodar um público aristocrático. O arquiteto Charles Garnier foi então contratado para criar no Casino uma sala de concertos digna do nome. A sala foi inaugurada em 25 de janeiro de 1879. No mesmo ano, Robert Planquette escreveu a peça Le Chevalier Gaston, para que fosse apresentada em Monte-Carlo. Idealizada pelo diretor Jules Cohen, a primeira temporada da Ópera de Monte-Carlo foi modesta. Nomeado diretor da Ópera de Monte-Carlo em 1892, foi apenas sob a direção de Raoul Gunsbourg que a Ópera de Monte-Carlo viveu temporadas ricas em obras ambiciosas e criações com artistas excepcionais, adquirindo assim prestígio internacional. 

O Visitante continua em direção à Place du Casino e chega em frente ao Casino de Monte-Carlo.

Cassino de Monte-Carlo: Boas-vindas à Place du Casino.

Black Jack, roleta inglesa, caça-níqueis, 30&40 são jogos oferecidos pelo Casino de Monte-Carlo. Luxuosas Noites de Gala são igualmente organizadas. Neste monumento excepcional de riqueza arquitetônica única, são realizados shows ricos em seu colorido, jantares excepcionais e torneios de jogos.
Um primeiro Casino foi inaugurado em Monte-Carlo em 1863, fundado por François Blanc. Proveniente de Hombourg, François Blanc criou em 1863 a empresa “Société des Bains de Mer et du Cercle des Étrangers à Monaco”, atualmente conhecida como Monte-Carlo SBM. O arquiteto do Cassino de Monte-Carlo é ninguém menos que Charles Garnier, arquiteto da Ópera de Paris. O Cassino de Monte-Carlo foi então renovado e ampliado de 1873 a 1878. É agregada uma Ópera construída de forma idêntica à Ópera de Paris.
O Cassino de Monte-Carlo pode ser visitado diariamente, das 10h00 às 13h00. Última entrada às 12
h15.

O Visitante é então convidado a atravessar para chegar ao Hôtel de Paris. 

Hôtel de Paris 

O Hôtel de Paris foi construído em 1864, com base no projeto do Jules Laurent DUTROU (1819-1885), tendo passado por inúmeras transformações até 1950. De fato, apenas dois anos após a sua abertura, François Blanc, proprietário da Société des Bains de Mer e do Cercle des Étrangers, decidiu criar uma primeira extensão do Hôtel de Paris.
A ideia de François Blanc consistia em oferecer aos visitantes uma estadia de qualidade. Nada é deixado ao acaso, desde a arrumação dos cômodos até as delícias da mesa. François Blanc e a sua esposa Marie igualmente construíram as adegas do Hôtel de Paris. As adegas do Hôtel de Paris contêm vinhos de safras bem antigas. Em particular, existem dois barris de vinho que datam da época de Louis Philippe e do Primeiro Império.  A
s adegas não estão abertas ao público.

O Visitante chega ao final do passeio! Não se esqueça, se desejar, de compartilhar as suas fotos no Instagram.

Créditos fotográficos: ©saiko3p/Shutterstock.com