Ver

Mônaco revela o seu plano de transformação digital

Data de publicação: 08/05/2019
O Principado de Mônaco desvenda as suas novas ambições no mundo digital: 5G, fibra óptica, criptomoeda e cidade inteligente.

O programa nomeado “Extended Monaco” foi apresentado em 30 de abril de 2019, com a presença de S.A.S. O Príncipe Albert II. O objetivo deste programa, desenvolvido há um ano, é claro: tornar o Principado o Estado mais digitalizado do mundo. Embora o tamanho de Mônaco possa às vezes ser uma desvantagem, ele pode ser um ativo real no que se refere à expansão digital, uma vez que oferece capacidade de resposta única.

Entre as novidades anunciadas pelo governo monegasco, estão obviamente a fibra ótica e o 5G. O Principado deverá contar com total cobertura 5G até o final do verão de 2019 e com fibra óptica até 2022. O Principado estará igualmente equipado com uma “nuvem soberana”, ou seja, um centro de dados localizado em seu próprio território.

 

Com essas novas redes de altíssima velocidade, Mônaco ambiciona igualmente tornar-se uma “cidade inteligente”, conectando luzes de rua, estacionamentos e serviços do governo, no intuito de melhorar a sua gestão. A tecnologia digital também simplificará o dia a dia dos monegascos, já no outono de 2019, com uma plataforma de e-health para consultas on-line. Além disso, até 2022, todos os procedimentos administrativos serão desmaterializados.

Mônaco se concentrará igualmente na capacitação para a esfera digital, tornando-se, em setembro de 2019, o primeiro país a capacitar para a programação de computadores desde o jardim de infância. Suplementarmente, a partir deste ano, 4.000 funcionários serão capacitados em um novo Laboratório de Aprendizagem e os membros do governo monegasco serão beneficiados com uma rede social interna.

A ambição do Extended Monaco consiste igualmente em seduzir empresas e atividades que priorizem o desenvolvimento de novas tecnologias, tais como a blockchain. O objetivo é tornar-se líder global em ICO ambiental (Oferta Inicial de Moedas). Para tanto, o Estado financiará uma primeira ICO dedicada à produção do novo documentário de Luc Jacquet, diretor ganhador do Oscar com a Marcha do Imperador.